Feeds:
Posts
Comentários

Disponibilizamos aqui o formulário de atendimento à/ao paciente, sua família e à/ao cuidadora/r na Rede de Atenção Domiciliar, em sua versão impressa, cujos itens perfazem o prontuário eletrônico do GESCAD 2.0.

Atualmente estamos em fase de implantação deste Registro Eletrônico de Saúde no âmbito do Paranoá-DF, por meio de visitas domiciliares das/os estudantes de enfermagem para registro e classificação das situações de atenção domiciliar no território das ESF. O GESCAD 2.0 é um software on line que pode ser acessado diretamente pelas/os profissionais por smartphone ou tablet durante as visitas domiciliares, o que facilita a gestão e a continuidade do cuidado na rede de atenção domiciliar do SUS. Para saber mais sobre o GESCAD 2.0, clique aqui

Para baixar o formulário de atendimento para uso de graduandos e profissionais de saúde, clique aqui ou  abaixo:

 

 

Aconteceu nos últimos dias 20 e 21 de março, sob coordenação da Profa. Andrea Gonçalves (Nesprom e atual diretora da revista Gestão&Saúde), o 1º Congresso Internacional sobre Gestão Pública e Saúde – I CIGEPS 2018, no Campus Darcy Ribeiro, na Universidade de Brasilia/Brasil, com financiamento da Fap-DF.

Clique aqui e confira as fotos do evento !

Nas notas de agradecimentos e informativos repassadas aos e-mails das(os) participantes, o retrato do sucesso desta ousada inciativa:

Neste evento,  conseguimos: 1-promover discussões de alto nível com 18 palestrantes, entre eles, pesquisadores de universidades brasileiras,  universidades inglesas,  universidades portuguesas e técnicos de alto nível do Chile e Brasil; 2-promover o intercâmbio de experiências em 3 workshops de relevância, que com o uso de aperfeiçoadas técnicas  certamente poderão contribuir para melhorar a qualidade dos nossos projetos de pesquisa; 3-discutir  com 3 especialistas, as boas práticas em pesquisa e técnicas no campo da gestão pública e saúde; 4-assistir , discutir e contribuir na apresentação de 32 trabalhos acadêmicos, resultados de pesquisa ou relatos de experiências, que têm o potencial para se tornarem artigos científicos no campo da gestão pública e saúde; 5-que o site do nosso CIGEPS2018, mesmo com limitações para divulgação, tivemos mais de 700 pessoas inscritas

Enfim, foram 06 meses de árduo trabalho em equipe, e em nome da Comissão Organizadora, agradecemos sinceramente a sua disponibilidade, sua colaboração e principalmente a sua parceria. Esperamos contar com sua parceria em 2020, no II CIGEPS 2020, em Lisboa !

Comissão Organizadora do I CIGEPS: Dra. Andréa de Oliveira Gonçalves; Dr. João Abreu de Faria Bilhim; Dr. André Nunes; Dra. Maria Júlia Pantoja; Dr. Rodrigo de Souza Gonçalves.

Parabenizamos a equipe pelo brilhante trabalho ! Que venha 2020 !

20 e 21 de março, Fiocruz, Brasília

Acontecerá na Fiocruz, em Brasília, o I Congresso Internacional sobre Gestão Pública e Saúde, I CIGEPS, uma realização do NESPROM e da Revista Gestão & Saúde, da Universidade de Brasília. O propósito é ampliar o diálogo temático entre as áreas de produção científica da gestão e da saúde, no âmbito da formulação e implantação de políticas públicas de saúde. Participe, divulgue e acesse o site oficial do evento, aqui.

As primeiras publicações sobre a concepção teórica do jogo Violetas: cinema&ação no enfrentamento da violência contra a mulher já estão disponíveis ! Acesse a nossa área de produções científicas, na aba acima e aqui, para ter acesso aos três artigos científicos até agora produzidos.

O Violetas ambienta de forma lúdica as reflexões sobre a violência contra a mulher a partir de quatro concepções teóricas que originaram o jogo: subjetividade, gênero, poder e cidadania. O mais recente artigo foi publicado recentemente nos anais eletrônicos do 11 Seminário Internacional do Fazendo Gênero, em que abordamos o conceito de subjetividade, de Judith Butler, a partir do qual analisamos os agenciamentos de gênero e cidadania produzidos nas/os jogadoras/es, durante as partidas.

Estamos em fase de finalização para o envio das demais produções do Violetas aos periódicos científicos, referente à avaliação da jogabilidade e a validação da ludicidade do mesmo. Em breve, mais novidades !!

É com grata satisfação que anunciamos a publicação do artigo “Recriar-se lúdico no desenvolvimento de jogos na saúde: refências teórico-metodológicas à produção de subjetividades críticas”, que discute os aspectos teóricos e metodológicos na produção de tecnologias lúdico-educativas. A publicação é fruto da nossa experiência em pesquisas desenvolvidas ao longo dos últimos sete anos, as quais resultaram na validação dos três jogos do Recriar-se (Banfisa, (IN)DICA_SUS e Violetas) e subsidia a metodologia do Vidas Violetas, nossa atual pesquisa.

O artigo se contrapõe às abordagens positivistas dos ‘serius games‘, da engenharia de software e da psicologia cognitiva, por meio da centralidade do lúdico na produção de subjetividades críticas e inventivas nas/os jogadoras/es. Acreditamos em perspectivas teóricas que recuperam o sentido da experiencia, da estética e da política para a abundância de vida. Confira o artigo na integra, aqui.

Chegamos ao número 40 do nosso Didático-para-Recriar-se (DPR40), uma série que produz e divulga experiências de ensino, pesquisa e educação voltada para a reflexão reinventiva de subjetividades críticas na saúde. O filme ‘O Reencontro’ (Direção: Martin Provost, França, 2017) é uma deliciosa comédia dramática em que o talento de Catherine Deneuve e Catherine Frot nos faz mergulhar nos sentidos éticos de uma vida que mereça ser vivida, a despeito de suas dores e sofrimentos. Na sinopse, Claire (Catherine Frot) exerce sua profissão de parteira com muita paixão. Ela é conhecida por ser uma mulher séria e prudente, porém solitária. Sua vida se transforma com a aparição inesperada de Béatrice (Catherine Deneuve), uma antiga amante de seu pai, em busca de ajuda para problemas pessoais. Claire hesita em ajudá-la a princípio, mas logo apoia a mulher extravagante, e descobre um modo de vida muito diferente do seu.

Como adotar ?

Indicamos o filme para as discussões sobre o processo de trabalho em saúde e enfermagem, em especial nos tempos de tecnificação excessiva do modelo biomédico. Discussões sobre o conceito de saúde, cuidado e a dimensão do feminino nas formas de realização humana igualmente podem render bons debates no filme, em diversos cenários de aprendizagem.

Preste atenção

No sentido do ‘reencontro’ para as duas mulheres e, em especial,  nas transformações que a competente enfermeira ‘Claire’ sofre com essa inesperada visita de Béatrice. A rigidez da profissão da enfermagem pode encontrar nesse filme um bom debate para os valores que estão em jogo na nossa prática profissional.

Qual o descaminho ?

O filme problematiza e motiva reflexões sobre o sentido de viver uma boa vida no contexto frenético que a vida moderna nos imprime. O ‘tempo’ para simplesmente ‘ser’ é outra desconstrução possível a se discutir, assim os sentidos do cuidado para a saúde e para a vida humana.